Dia Mundial de Lavar as Mãos – 15 de outubro

Dia Mundial de Lavar as Mãos

Micróbios, vírus e bactérias estão em todos os lugares, portamos cerca de cinco vezes mais microorganismos que células próprias.

O  jeito mais simples de reduzir a quantidade deles em nossas mãos é lavando as mesmas. Faça sua parte e divulgue esse gesto simples que evita doenças. A Lavagem de Mãos é uma medida Simples, Economica e Eficaz na prevenção de doenças e infecções e uma importante contribuição para a Saúde Individual e Comunitária.

CDC

 Lavar as mãos é um ato muito simples e que todos conhecemos muito bem. Desde cedo, que nos ensinam que devemos lavar as mãos antes e depois de comer, depois de ir ao banheiro, depois de brincar com animais e não apenas quando elas se apresentam visivelmente sujas. No entanto, este é, certamente, um dos ensinamentos mais esquecidos e banalizados pela maioria das pessoas, inclusive por muitos profissionais de saúde.

Como Lavar as Mãos

Como Lavar as Mãos

 Este manual, dirigido aos profissionais de saúde, faz parte de uma proposta do Ministério da Saúde que tem por objetivo normalizar um procedimento comum e pouco considerado no âmbito das unidades de saúde brasileiras: o ato de lavar as mãos.

A importância do texto reside na enfatização de uma conduta simples e de grande valor para nossa realidade, já que propõe soluções práticas de baixo custo e possibilita, ainda, opções na seleção das possíveis variáveis relacionadas com o desenvolvimento das técnicas preconizadas.

Tendo em vista o estudo dos vários aspectos relativos ao tema, acreditamos na plena aceitabilidade desta publicação pois, apesar dos seus tópicos abordarem assuntos variados e polêmicos, foi possível se chegar a um consenso que, certamente, possibilitará a minimização de vários problemas concernentes às infecções hospitalares em nosso país.

A iniciativa no desenvolvimento deste material constituiu-se num desafio, no sentido de equacionar a questão, já que possibilitava opções distintas e delineadas em uma escala de prioridades.

A emissão de críticas e sugestões por parte dos profissionais de saúde é essencial e certamente contribuirá para o aprimoramento futuro do texto.

  Na época, esse procedimento não foi bem aceito, nem entendido, o que é até plausível, haja vista que mesmo hoje, ainda, necessitamos, apesar da vasta bibliografia pertinente, mostrar a importância e a correlação dessa medida na prevenção das infecções hospitalares.

Há 14a anos, em 13 de maio de 1847, o médico húngaro Ignaz Semmelweis, com o  simples ato de lavar as mãos com solução clorada antes de entrar em contato direto com os pacientes, demonstrou a importância dessa medida na profilaxia da infecção hospitalar, já que a mesma propiciou diminuição sensível dos casos de febre puerperal. 

Apesar deste assunto ser polêmico e alguns autores e entidades preferirem abordá-lo de maneira genérica, optamos, na estruturação deste manual, pela tentativa de demonstrar quais os métodos mais adequados de assepsia, bem como os materiais, equipamentos e produtos a serem utilizados.

 Todo dia 15 de maio a importância do controle da Infecção Hospitalar é relembrado, em homenagem ao trabalho pioneiro do médico húngaro Ignaz Semmelweis.

Esse texto almeja proporcionar aos profissionais de saúde subsídios técnicos relativos às normas e procedimentos para lavar as mãos, visando a prevenção das infecções hospitalares.

Orientar e alertar os profissionais de saúde sobre a importância do ato de lavar as mãos na prevenção e controle da infecção hospitalar.

  • Classificar as técnicas básicas de lavar as mãos, de acordo com as indicações pertinentes.
  • Especificar os materiais e equipamentos necessários ao desenvolvimento das técnicas preconizadas.
  • Orientar quanto a escolha dos produtos químicos a serem utilizados no desenvolvimento das técnicas indicadas (sabões, anti-sépticos-detergentes e anti-sépticos).

 A pele ou cútis é o manto de revestimento do organismo, indispensável à vida, já que isola componentes orgânicos do meio exterior, impede a ação de agente externos de qualquer natureza, evita perda de água, eletrólitos e outras substâncias do meio interno, dá proteção imunológica, faz termo-regulação, propicia a percepção e tem função secretória.

A superfície da pele apresenta sulcos e saliências-particularmente acentuadas nas regiões palmo-plantares e extremidades dos dedos – e, dependendo do segmento corpóreo, variações e pregas (articulares e musculares), orifícios pilossebáceos e sudoríparos.

A secreção sebácea produzida é importante para a manutenção eutrófica da própria pele, particularmente na camada córnea, pois evita a perda de água. O sebum tem propriedades antimicrobianas e contém substâncias precursoras da vitamina D.

Do ponto de vista da flora microbiana da pele, temos duas populações: a residente e a transitória.

 Flora residente – é composta pelos microrganismos que vivem e se multiplicam na pele, podendo ser viáveis por longo período. Esses microrganismos diferem tanto qualitativa quanto quantitativamente, dependendo do local de alojamento no corpo e da população bacteriana envolvida.

As bactérias dessa flora não são facilmente removidas por escovação, entretanto, podem ser inativadas por anti-sépticos. As bactérias mais comumente encontradas são as Gram-positivas. Nas mãos, essas e outras bactérias localizam-se em maior quantidade em torno e sob as unhas.

A maioria dos microrganismos da flora residente é encontrada nas camadas superficiais da pele, porém um percentual de 10 a 20% localizam-se nas fendas das mãos ou no interior dos folículos pilosos, onde os lipídios e o epitélio superficial estratificado podem dificultar sua remoção.

É importante lembrar que a classificação da flora microbiana da pele em residente e transitória tem apenas um caráter didático.

 A flora residente é de baixa virulência e raramente causa infecção, contudo pode ocasionar infecções sistêmicas em pacientes imunodeprimidos e após procedimentos invasivos. Flora transitória – como o nome sugere, é passageira, e os microrganismos que a compõem são viáveis por apenas um curto período. Suas bactérias são mais fáceis de serem removidas, pois se encontram na superfície da pele, junto à gordura e sujidades.

Flora transitória – A flora transitória das mãos é composta pelos microrganismos mais freqüentemente responsáveis pelas infecções hospitalares: as bactérias Gram-negativas e os estafilococos, o que bem demonstra a importância das mãos como veículo de transmissão.

Embora na pele das mãos existam bactérias com variados graus de patogenicidade, em situação normal elas não causam infecção por haver uma barreira fisiológica protetora. Entretanto, na ocorrência de solução de continuidade na pele, ou no caso de pacientes imunodeprimidos, poderá haver a instalação de um processo infeccioso. Esse fato, por si só, destaca a importância da lavagem das mãos na remoção das bactérias e na prevenção da infecção hospitalar. 

1 – TÉCNICAS E INDICAÇÕES

      a) Lavagem básica das mãos

 (Tempo: aproximadamente 15 segundos) – é o simples ato de lavar as mãos com água e sabão, visando a remoção de bactérias transitórias e algumas residentes, como também células descamativas, pêlos, suor, sujidades e oleosidade da pele. O profissional de saúde deve fazer desse procedimento um hábito, seguindo as recomendações e etapas de desenvolvimento da seguinte técnica: 

  • fique em posição confortável, sem tocar a pia, e abra a torneira, de preferência, com a mão não dominante, isto é, com a esquerda, se for destro, e com a direita, se for canhoto;
  • mantenha, se possível, a água em temperatura agradável, já que a água quente ou muito fria resseca a pele. Use, de preferência, 2 ml de sabão líquido, ou o sabão em barra. Nesse caso, enxágüe o sabão antes do uso;
  • ensaboe as mãos e friccione-as por aproximadamente 15 segundos, em todas as suas faces, espaços interdigitais, articulações, unhas e extremidades dos dedos;
  • enxágüe as mãos, retirando totalmente a espuma e resíduos de sabão;
  • enxugue-as com papel-toalha descartável;
  • Feche a torneira utilizando o papel-toalha descartável ( evite encostar na mesma ou na pia ) 

Indicações 

Uma listagem de todas as situações em que as mãos devem ser lavadas seria uma tarefa prolongada e incompleta.

De modo geral, entretanto, o bom senso autoriza e recomenda que o profissional de saúde lave as mãos nas situações abaixo indicadas:

  • sempre que estiverem sujas.
  • Antes de ministrar medicamento oral; preparar nebulização.

 Antes e após 

  • a realização de trabalhos hospitalares;
  • a realização de atos e funções fisiológicas e ou pessoais (se alimentar, limpar e assoar o nariz, usar o toalete, pentear os cabelos, fumar ou tocar qualquer parte do corpo)

Os profissionais de saúde, em virtude da necessidade freqüente de lavar as mãos com antissépticos ou mesmo água e sabão, podem desenvolver dermatites e ressecamento da pele. Nesses casos, podem ser usados cremes emolientes, do tipo “cold cream”, com uréia a 10 %, após o término das atividades hospitalares ou no próprio domicílio.

  • o manuseio de cada paciente e, às vezes, entre as diversas atividades realizadas num mesmo paciente (por exemplo: higiene, aspiração endotraqueal, esvaziamento da bolsa coletora de urina etc.);
  • o preparo de materiais ou equipamentos (respiradores, nebulizadores etc.), durante seu reprocessamento;
  • a manipulação de materiais ou equipamentos (exemplo: cateter intravascular, sistema fechado de drenagem urinária e equipamentos respiratórios);
  • a coleta de espécimes;
  • a aplicação de medicação injetável;
  • a higienização e troca de roupa dos pacientes.

       b) Lavagem e anti-sepsia das mãos

      b.1 – Pré-procedimentos cirúrgicos

 No preparo das mãos e antebraços, antes de quaisquer procedimentos cirúrgicos, o profissional de saúde deve remover todas as jóias, pulseiras e ou anéis, inclusive a aliança. As unhas devem ser mantidas aparadas e sem esmalte.

Para a anti-sepsia, recomenda-se o emprego de escovas apropriadas, com cerdas macias, descartáveis ou convenientemente esterilizadas. São contra-indicadas as escovas de cerdas duras, já que podem promover lesões cutâneas nas mãos e antebraços. Proscreve-se, também, a manutenção de escovas em soluções desinfetantes, bem como seu reaproveitamento após o uso. Caso não existam condições adequadas para a utilização das escovas, deve-se dar preferência ao desenvolvimento da anti-sepsia sem escovação.

Com ou sem escovação, porém, a seqüência da lavagem deve ser ritualmente seguida pelo profissional de saúde, com movimentos de fricção pelas diferentes faces das mãos, espaços interdigitais, articulações, extremidades dos dedos e antebraços, durante 5 minutos antes da primeira cirurgia e de 2 a 5 minutos antes das cirurgias subseqüentes, desde que a anterior não tenha sido infectada. Nesse caso, deve-se obedecer o tempo de 5 minutos.

      1 ª opção

Desenvolvimento da técnica com anti-séptico-detergente

Quando do emprego de produtos anti-sépticos-detergentes no final do procedimento, o profissional de saúde deve enxaguar as mãos em água corrente, aplicar o produto e, após friccioná-lo nas mãos, enxugar as mesmas com toalha ou compressa esterilizada.

É vedado o uso de soluções alcoólicas para a remoção de resíduos do anti-séptico-detergente.

      2 ª opção

Desenvolvimento da técnica com água, sabão e aplicação de anti-sépticos

Quando não houver a disponibilidade de produtos à base de antiséptico-detergente associado, o ritual da lavagem / escovagem deverá ser processado com o uso do sabão, obedecendo-se a técnica preconizada. O profissional de saúde, após friccionar as mãos com água e sabão, deve enxugá-las tendo o cuidado de remover totalmente a espuma e resíduos de sabão das mãos e antebraços. Seqüencialmente, deve aplicar uma solução de álcool iodado a 0,5 ou 1 %, friccionando as mãos com essa solução por, no mínimo, 1 minuto, secando-as em seguida com toalha ou compressa esterilizada.

Em qualquer das duas opções, durante o desenvolvimento da técnica, as mãos devem ser mantidas numa altura relativamente superior aos cotovelos, e a secagem, com toalha ou compressa esterilizada, deve ser processada, sempre, obedecendo-se a direção mãos-cotovelo, com movimentos compressivos e não de esfregação.

Contra-indica-se a imersão das mãos em bacias com álcool iodado.

Como precaução adicional, o profissional de saúde deve usar luvas quando houver um elevado risco de transmissão de infecção. Tal procedimento objetiva proteger os pacientes dos microrganismos que não foram totalmente removidos através da lavagem das mãos, bem como evitar que o pessoal de saúde tenha contato direto com secreções, excreções, material e equipamentos contaminados. O uso de luvas, entretanto, não prescinde uma boa lavagem das mãos.

Indicações ( 1 ª e 2 ª opção )

Antes de 

  • cirurgias em geral;
  • procedimentos cirúrgicos de pequeno porte, tais como: biópsias, cateterismos vasculares, traqueostomias, shunts artério-venosos, procedimentos endoscópicos por incisões, punções e drenagens de cavidades serosas, acesso percutâneo a cavidades naturais (cateterismo vesical, punção suprapúbica) e outras cirurgias realizadas em unidades ambulatoriais e de emergência, como por exemplo retirada de corpo estranho, cirurgia oftalmológica e outras.

Em alguns serviços de saúde, os procedimentos citados – em consequência de situações emergenciais e outras peculiares à instituição – são realizados em áreas semicríticas e não em áreas críticas, o que seria mais adequado, devido ao risco potencial de infecção.

       b.2 – Outros procedimentos de risco

 Alguns procedimentos de risco ou invasivos (diagnósticos ou terapêuticos) são desenvolvidos em diferentes áreas dos hospitais brasileiros. Apesar de não representarem risco de infecção equivalente aos das agressões cirúrgicas (de grande e pequeno porte) acima referidas, os cuidados com as mãos devem ser rigorosos, tendo-se em vista que freqüentemente acarretam infecções hospitalares. Portanto,  preconiza-se a lavagem das mãos com água e sabão por aproximadamente 15 segundos, com posterior aplicação de anti-séptico em solução alcoólica, friccionando, durante 1 minuto, todas as faces das mãos, conforme a técnica já descrita. Ressalve-se que as mãos devem secar naturalmente e não por intermédio do papel-toalha.

Considerando-se o custo, o problema de disponibilidade dos antisépticos-detergentes no mercado e a não necessidade de efeito residual prolongado em alguns procedimentos de risco, optou-se, apenas, pela lavagem das mãos com água e sabão, com posterior aplicação de anti-sépticos em solução alcoólica, o que não exclui, entretanto, o uso de anti-sépticos-detergentes por algumas instituições que assim o preferirem.

área semicrítica – é a área ocupada por pacientes de doenças não infecciosas ou doença infecciosa de baixa transmissibilidade. área crítica – é a área que apresenta grande risco de infecção: salas cirúrgicas e de recuperação, unidade de terapia intensiva (UTI), quarto de isolamento e isolamento protetor, laboratório, lactário, berçário etc.

Indicações 

Antes de 

  • examinar pacientes de isolamento reverso;
  • preparar dietas para berçário (mamadeiras, leite, papa etc.);
  • preparar solução parenteral ou enteral;
  • instalar solução parenteral (antes de manusear equipamentos para ministrar a solução);
  • proceder a instalação da hemodiálise;
  • realizar instrumentação e sondagem de orifícios naturais (cistoscopia, broncoscopia, laringoscopia direta e cateterismo vesical);
  • realizar punção-biópsia;
  • realizar punção lombar;
  • efetuar cateterismo de trajetos fistulosos

 Antes e após 

  • qualquer tipo de curativo

 Após  

  • contato com urina, fezes, sangue, saliva, escarro, secreções purulentas ou outras secreções ou excreções materiais, bem como equipamentos e roupas contaminadas.

       c) Anti-sepsia direta das mãos, sem lavagem prévia com água e sabão

 Na maioria dos hospitais brasileiros, observam-se problemas relativos à estrutura física, evidenciados pela falta de pias em número adequado a propiciar a lavagem freqüente das mãos. Associado a tal fato, existem situações em que se faz necessária a aplicação imediata de anti-sépticos, mesmo sem a lavagem prévia das mãos com água e sabão. Nessas circunstâncias, excepcionalmente, o profissional de saúde pode realizar a anti-sepsia direta das mãos. Para tal, deve aspergir 3 a 5 ml de anti-séptico em solução alcoólica, friccionando as mãos em todas as suas faces, pelo tempo de 1 minuto. As mãos devem secar naturalmente, e não por intermédio do papel-toalha.

Para o desenvolvimento dessa técnica, é necessário um dispensador, que facilitará o uso do produto. Esse equipamento é bastante simples e pode ser feito pelo serviço de manutenção de qualquer hospital.

 2 – MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS 

  • Água
  • Pias
  • Dispensadores de sabão líquido e anti-sépticos
  • Porta-papel-toalha e papel-toalha

 Água 

O sistema de abastecimento de água deve ser dimensionado para um consumo aproximado de pelo menos 500 litros/dia/leito (conforme explicita a Portaria n° 400/GM, de 6.12.77 – substituída pela Portaria n° 1.884/GM, de 11.11.94, do Ministério da Saúde ), excluindo nesse cálculo, obviamente, a água necessária para a eventualidade de um incêndio.

O reservatório ou caixa d’água deve ser protegido com tampas, modo a impedir a entrada ou penetração de poeira, insetos, detritos etc, visando preservar a potabilidade da água e evitar sua contaminação.

Em nenhuma hipótese poderá existir depósito de lixo próximo a qualquer caixa d’água, devido ao perigo potencial de contaminação da água do reservatório. A limpeza e desinfecção do reservatório deve ser feita, preferencialmente, de 6 em 6 meses.

Subentende-se que a água já esteja convenientemente tratada (clorada) e com controle bacteriológico. Quaisquer outros controles ficam a critério da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).

 Pias

 As pias devem estar sempre limpas, adequadamente localizadas e em número necessário para facilitar o ato de lavar as mãos, com torneiras que funcionem e suficiente provisão de sabão e ou anti-sépticos nos dispensadores, bem como toalhas de papel.

A CCIH deve supervisionar ou criar um esquema que permita verificar se esses fatores estão em consonância com as normas recomendadas.

A correlação recomendável entre pias/leitos para algumas unidades é a seguinte: 

  • isolamento – uma pia para cada paciente;
  • UTI e sala de recuperação pós-anestésica – uma pia para cada dois ou três pacientes;
  • quarto de enfermaria – uma pia (no mínimo) para cada 4 pacientes;
  • quarto privativo – uma pia para cada quarto.

 Com relação à torneira, esta deve ter, se possível, água quente e fria (pelo menos no Centro Cirúrgico), com dispositivo de mistura. Seu acionamento deve ser feito com o pé, cotovelo ou joelho. Compete ao serviço de manutenção hospitalar manter esses equipamentos em perfeito funcionamento.

As pias e torneiras devem ser instaladas de maneira que não propiciem ao usuário respingos de água durante sua utilização, e devem permanecer sempre limpas e secas. É expressamente proibido torcer pano de chão ou jogar materiais contaminados no interior das pias.

Os profissionais de saúde, visando a não contaminação de seus uniformes, devem criar o hábito de não encostar na pia quando forem lavar as mãos.

Quando não existirem pias nas áreas semicríticas, recomenda-se manter, no mínimo, um dispensador com solução anti-séptica não detergente em cada enfermaria, dando-se preferência ao álcool iodado a 0,5 ou 1%, com glicerina a 2%.

 Dispensadores de sabão líquido e anti-sépticos

 Os dispensadores devem apresentar dispositivos que facilitem o seu esvaziamento e enchimento. De preferência, devem ser usados os modelos descartáveis e aqueles acionados com o pé ou cotovelo (figura 5). Sua limpeza deve ser efetuada com água e sabão, sempre que terminar a solução em seu interior ou, no mínimo, uma vez por semana.

Preferencialmente, deve-se utilizar sabão líquido, pois a probabilidade de contaminação através de seu uso é menor que a do sabão em barra. Este, ao ser empregado, deve ser de tamanho pequeno (visando sua substituição mais freqüente), colocado em saboneteira vazada e suspensa  ou, pelo menos, em saboneteira vazada. Essas medidas evitarão sua permanência em meio úmido, o que poderia favorecer o crescimento de microrganismos.

 Nas áreas críticas, devem ser mantidos dispensadores com anti-séptico em todos os lavabos e, em alguns pontos, dispensadores com sabão líquido. Nas áreas semicríticas, deve-se manter sabão líquido ou em barra em todas as pias e, em pelo menos um local, um dispensador com anti-séptico.

Nas áreas não críticas, os dispensadores devem ser mantidos com sabão líquido ou em barra, conforme as especificações descritas.

Áreas não não críticas são áreas não ocupadas por pacientes (área administrativa ) ou área cujo acesso lhes seja vedado.

Porta-papel-toalha ( suporte ) e papel-toalha

Na utilização do papel-toalha, deve-se dar preferência aos papéis em bloco, que possibilitam o uso individual folha a folha.

Outra opção é o papel-toalha em rolo , porém a manipulação necessária para sua retirada é mais complexa.

O papel-toalha deve ser de material suave para não machucar as mãos, e de fácil retirada dos suportes (porta-papel-toalha). Estes, fixados junto às pias, sempre adequadamente providos, devem ser de fácil limpeza e fabricados com material que não favoreça a oxidação.

Contra-indica-se o uso coletivo de toalhas de tecido do tipo comum e ou de rolo , em vista das mesmas permanecerem umedecidas quando não substituídas freqüentemente, bem como o secador elétrico de mãos . Com relação a este, podemos dizer, na prática, que os profissionais de saúde raramente obedecem o tempo necessário para a secagem total das mãos. Alguns autores afirmam que o ar quente proveniente do secador pode carrear microrganismos. Esse fator se associa, ainda, à dificuldade de acionamento do aparelho sem o uso das mãos.

3 – PRODUTOS QUÍMICOS INDICADOS 

  • Germicidas
  • Sabões

 Os anti-sépticos, sabões, equipamentos e materiais usados nos hospitais devem ser padronizados pela sua própria equipe de profissionais de saúde. Entretanto, a Comissão de Controle de Infecção hospitalar (CCIH) deve ter parte ativa nessas discussões.

Com relação aos anti-sépticos, só devem ser aceitos produtos devidamente registrados na Divisão de Medicamentos (DIMED) da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde – hoje ANVS, padronizados com seus nomes genéricos (denominação comum internacional) e as seguintes especificações: registro do nome comercial, indicação, concentração e fórmula farmacêutica.

A comissão de licitação ou o pessoal administrativo responsável pela aquisição das compras para os hospitais deve consultar a CCIH ou os profissionais de saúde interessados, antes de adquirir quaisquer produtos, inclusive toalhas, porta-toalhas, sabão, dispensadores e anti-sépticos.

Germicidas 

Classificação dos germicidas

Quanto à aplicação, classificam-se em esterilizantes, desinfetantes-detergentes, saneantes e anti-sépticos. Neste manual, entretanto, só abordaremos os anti-sépticos.

Anti-sépticos

São formulações germicidas de baixa causticidade, hipoalergênicas, destinadas à aplicação na pele e mucosas.

As formulações comerciais destinadas à desinfecção das mãos estão divididas em dois grupos:

a) soluções anti-sépticas com detergentes (degermantes) – essas soluções associam detergentes com anti-sépticos e se destinam à degermação da pele, removendo detritos e impurezas e realizando anti-sepsia parcial.

a.1 – solução detergente de PVP-I a 10% ( 1 % de iodo ativo);

a.2 – solução detergente de clorhexidina a 4 % , com 4 % de álcool etílico.

b) solução alcoólica para anti-sepsia das mãos.

b.1 – solução de álcool iodado a 0,5 ou 1% (álcool etílico a 70%, com ou sem 2% de glicerina);

b.2 – álcool etílico a 70%, com ou sem 2% de glicerina.

São considerados adequados para uso hospitalar os seguintes anti-sépticos: 

  • álcoois
  • compostos de iodo
  • iodóforos
  • clorhexidina

  • triclosan (Irgasan)

 Álcoois

 Os álcoois etílico e isopropílico, em solução aquosa a 70%, são germicidas, têm um tempo de ação imediato e praticamente nenhuma ação residual.

Na redução da tensão superficial da célula bacteriana, a solução aquosa de álcool é mais efetiva do que o álcool absoluto.

O álcool etílico é bactericida (destrói formas vegetativas), fungicida e virucida para alguns vírus, razão pela qual é usado na composição de outros anti-sépticos. A ação bactericida dos álcoois primários está relacionada com o seu peso molecular, e pode ser aumentada através da lavagem prévia das mãos com água e sabão. O ressecamento da pele, motivado pelo uso freqüente do álcool, pode ser evitado adicionando-se a esse produto glicerina a 2 %.

 Compostos de iodo

 O iodo é um halogênio pouco solúvel em água, porém facilmente solúvel em álcool e em soluções aquosas de iodeto de potássio. O iodo livre é mais bactericida do que bacteriostático, e dá um poder residual à solução.

O iodo é um agente bactericida com certa atividade esporicida. Esta, contudo, é influenciada por condições ambientais como a quantidade de material orgânico e o grau de desidratação. Além disso, o iodo é fungicida e, de certo modo, ativo contra o vírus.

O composto de iodo mais usado é o álcool iodado a 0.5 ou 1 %. A solução de iodo deve ser preparada semanalmente e acondicionada em frasco âmbar (com tampa fechada, para evitar deterioração e evaporação), devidamente protegido da luz e calor.

Iodóforos

Os iodóforos são complexos de iodo com certos tipos de surfactantes, que apresentam propriedades similares à dos detergentes e que funcionam como “carreadores” de iodo, sendo mais estáveis aqueles que apresentam características não iônicas, como o PVP (Polivinilpirrolidona) e outros compostos. O complexo formado libera lentamente o iodo, permitindo uma maior estabilidade para a solução.

Os compostos de iodo têm ação residual, entretanto sua atividade é diminuída em virtude da presença de substâncias alcalinas em matérias orgânicas.

Com relação ao PVP-I, os casos de hipersensibilidade ao iodo têm sido descritos na relação 2 : 5000. Com outros compostos, do tipo álcool iodado a relação é maior.

O iodóforo mais usado para a anti-sepsia das mãos é á solução detergente de PVP-I a l0 % (1% de iodo ativo), que é bactericida, tuberculicida, fungicida, virucida e tricomonicida. Essa solução tem a seu favor o tato de não ser irritante, ser facilmente removível pela água e reagir com metais.

Clorhexidina

A solução de clorhexidina é um germicida do grupo das biguanidas, apresenta maior efetividade com um pH 5 a 8, e age melhor contra bactérias Gram-positivas do que Gram-negativas e fungos. Sua ação é imediata e tem efeito residual. Apresenta baixo potencial de toxicidade e de fotossensibilidade ao contato, sendo pouco absorvida pela pele íntegra.

Para casos de alergia ao iodo, pode-se fazer a degermação prévia com solução detergente de clorhexidina a 4%.

As formulações para uso satisfatório são: solução de gluconato de clorhexidina a 0,5 %, em álcool a 70% e solução detergente não iônica de clorhexidina a 4 %, contendo 4 % de álcool isopropílico ou álcool etílico para evitar a contaminação com Proteus e Pseudomonas.

Soluções aquosas de clorhexidina em concentrações inferiores a 4 % de álcool, com ou sem cetrimida, são mais facilmente contamináveis.

Triclosan (lrgasan)

É um anti-séptico usado em associação com sabões, detergentes e cosméticos, na concentração de 0,5 % a 2 %. Tem ação lenta e é proposto como eventual substituto do hexaclorofeno. Não é ativo contra Pseudomonas aeruginosa e alguns autores não o diferenciam do sabão comum. Em solução a 0,75% seu efeito como anti-séptico das mãos, durante 2 minutos, seria inferior ao do hexaclorofeno a 2 %.

Seu efeito de absorção cumulativa não tem sido estudado, daí o seu uso ser contra-indicado, principalmente em crianças abaixo de 5 meses, pois sua absorção é 6 vezes maior que a do hexaclorofeno, só devendo ser usado com orientação da CCIH.

Com relação ao hexaclorofeno, é bom lembrar que, no Brasil, este produto foi retirado de comércio. No caso de uma importação, a CCIH deve ser consultada.

Sabões

Os sabões são sais que se formam pela reação de ácidos graxos obtidos de gorduras vegetais e animais, com metais ou radicais básicos (sódio, potássio, amônia etc.).

Existem vários tipos e apresentações de sabão: em barra, pó, líquido e escamas.

Alguns sabões em barra são alcalinos (pH 9,5 a 10,5) em solução. Sua qualidade pode ser melhorada através da adição de produtos químicos.

O sabonete é um tipo de sabão em barra (composto de sais alcalinos de ácidos graxos) destinados à limpeza corporal, podendo conter outros agentes tensoativos, ser colorido e perfumado e apresentar formas e consistências adequadas ao seu uso.

O sabão/sabonete antimicrobiano contém anti-sépticos em concentração suficiente para ser desodorante, sendo usado para lavar as mãos antes de procedimentos cirúrgicos.

Os sabões têm ação detergente, que remove a sujidade, detritos e impurezas da pele ou outras superfícies. Determinados sabões apresentam formação de espuma que extrai e facilita a eliminação de partículas. A formação de espuma representa, além da ação citada, um componente psicológico de vital importância para a aceitação do produto.

Preconiza-se o uso de sabão líquido no hospital e unidades de saúde e, como segunda opção, o sabão em barra ou sabonete, em tamanho pequeno.

O cuidado maior que se deve ter no manuseio do sabão é evitar seu contato com a mucosa ocular ou seu contato prolongado com a pele, que pode produzir irritação local.

O controle microbiológico de quaisquer sabões e ou dispensadores só deve ser realizado com a orientação da Comissão de Infecção Hospitalar.

 MICRORGANISMOS ENCONTRADOS NA PELE: 

Microrganismo Incidência
 Staphylococcus epidermidis( coagulase – negativa )  85 a 100 %
 Staphylococcus aureus( coagulase – positiva )  5 a 25 %
 Streptococcus pyogenes( grupo A )  0 a 4 %
 Propionibacterium acnes( corinebactérias anaeróbias )  10 a 45 %
 Corynebacterium sp. ( anaeróbias )( difteróides )  55 %
 Lactobacilos  55 %
 Candida albicans  INCOMUM
 Outras espécies de Candida, especialmente C. parapsilosis  1 a 15 %
 Clostridium perfringens(especialmente nas extremidades inferiores)  40 a 60 %
 Enterobacteriaceae  INCOMUM
 Acinetobacter calcoaceticus

25 %

 Moraxella sp.

5 a 15 %

 Mycobacterium sp.

 

 RARO

Vamos lavar as mãos?

 

Fonte: 

ANVISA: http://www.anvisa.gov.br/hotsite/higienizacao_maos/index.htm

CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA : http://www.cvs.saude.sp.gov.br/download.asp?tipo=zip&arquivo=lavar.zip

MINISTÉRIO DA SAÚDE – SECRETARIA NACIONAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS DE SAÚDE

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Ministério da Saúde – Secretário Nacional de Organização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde. Programa de Controle de Infecção Hospitalar
LAVAR AS MÃOS: INFORMAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
39 páginas na Impressão Original, il. – Série A: Normas e Manuais Técnicos – 111989 – Ministério da Saúde Série A: Normas e Manuais Técnicos – 11 Centro de Documentação do Ministério da Saúde Esplanada dos Ministérios – Bloco G – Térreo70085 Brasília/DF Telefones (061) 226·8286 e 226-8275 Telex: (061) 1251 e 1752


web stats analysis



Site Meter

Sobre Jaleco Vida
Vestimenta de Segurança contra risco biológico confeccionada com tecido tecnológico bacteriostático e utilizada como barreira corporal biológica e física em hospitais, laboratórios, fábricas, restaurantes, entre outros. Inibe proliferação de bactérias trazendo mais segurança a pacientes e profissionais da saúde. Possui modelagem confortável, e é indicada para profissionais que trabalhem em ambiente de risco biológico, ou seja, com probabilidade de exposição ocupacional a agentes biológicos. Entende-se por serviços de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade.

2 Responses to Dia Mundial de Lavar as Mãos – 15 de outubro

  1. Pingback: Jaleco Vida

  2. Pedro Correia disse:

    Sem duvida que lavar as mãos é muito importante. Não tinha conhecimento que existia um dia mundial para isso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: