Onze recém-nascidos morrem em dois meses no Hospital Regional da Asa Sul (Hras) por infecção de super bactérias em 2010

Klebsiella pneumoniae

Image via Wikipedia

Entre outubro e novembro deste ano, 11 bebês recém-nascidos morreram na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital Regional da Asa Sul (Hras) em 40 dias. Cinco óbitos ocorreram no primeiro mês, e as outras seis em novembro. Os bebês moreram após contaminação por duas bactérias: Klebsiella e Serratia. Por mais que a primeira seja a mesma da conhecida KPC, o diretor-geral de Saúde da Regional Sul, Alberto Henrique Barbosa garantiu que não há contaminação por KPC dentro da Neonatal do Hras. determinou o isolamento de seis bebês e 24 são mantidos sob observação. Em todo o Distrito Federal há 81 leitos na rede pública à disposição da população – todos lotados.

Segudo o diretor-geral, a contaminação pelas duas bactérias é grave. “Mas elas não podem ser comparadas à KPC. Além disso, existe tratamento para combatê-las, embora seja difícil e longo”, afirma Alberto. Ele espera ainda que os insumos necessários e que estão em falta chegem à unidade de saúde até a próxima terça-feira (16/11).

De acordo com o diretor-geral, Os bebês que vão às UTIs Neonatais já estão em situação de baixa resistência, muitos deles são pré-maturos e isso os torna mais sucetíveis a infecções. Além disso, a Neonatal do Hras tem um problema de superlotação. “Hoje, a UTI tem uma capacidade de 30 leitos, mas trabalha com o atendimento de 36 a 38”, disse Alberto.

Segundo Aberto Henrique, para piorar a situação, não há profissionais de saúde suficiente. “Teria que haver um médico e um enfermeiro a cada cinco leitos. No caso do Hras seriam necessários mais 30 médicos para operar na capacidade prevista do hospital, que é de 45 leitos. Mas isso não acontece por falta de profissionais”, contou o diretor-geral.

A Unidade Neonatal do hospital continuará com acesso restrito aos casos mais graves. O atendimento só será normalizado assim que o controle de infecção hospitalar do Hras constatar que houve diminuição nos níveis de contágio. De acordo com a Regional de Saúde, já foram tomadas medidas para conter a contaminação.

Ariadne Sakkis

Publicação: 12/11/2010 17:07 Atualização: 12/11/2010 17:13

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2010/11/12/interna_cidadesdf,222938/onze-recem-nascidos-morrem-em-dois-meses-no-hras-por-infeccao-de-bacterias.shtml


web stats analysis



Site Meter

Sobre Jaleco Vida
Vestimenta de Segurança contra risco biológico confeccionada com tecido tecnológico bacteriostático e utilizada como barreira corporal biológica e física em hospitais, laboratórios, fábricas, restaurantes, entre outros. Inibe proliferação de bactérias trazendo mais segurança a pacientes e profissionais da saúde. Possui modelagem confortável, e é indicada para profissionais que trabalhem em ambiente de risco biológico, ou seja, com probabilidade de exposição ocupacional a agentes biológicos. Entende-se por serviços de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade.

One Response to Onze recém-nascidos morrem em dois meses no Hospital Regional da Asa Sul (Hras) por infecção de super bactérias em 2010

  1. Pingback: Tweets that mention Onze recém-nascidos morrem em dois meses no Hospital Regional da Asa Sul (Hras) por infecção de super bactérias em 2010 « Jaleco Vida -- Topsy.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: